Veteranos do Pan: bicampeão pan-americano, Fernando Reis vai em busca do tri como homem mais forte das Américas

Fernando Reis, atleta do Levantamento de Peso conquistou o ouro em Guadalajara e Toronto e agora vai a Lima em busca de mais um resultado

Com um currículo de dar inveja, que inclui um quarto lugar no último Mundial e um quinto lugar nas Olímpiadas, que foi conquistado na última edição que aconteceu no Rio de Janeiro, além das duas medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos que lhe rendem a fama de homem mais forte das Américas, Fernando Reis é hoje o principal nome do levantamento de peso no Brasil. Tendo iniciado sua trajetória ainda criança, quando tinha 11 anos, no próprio Pinheiros, Clube do qual ele defende e é sócio desde a infância e permanece até hoje, ele chega aos Jogos de Lima como um dos favoritos e defenderá o título que até então é seu.

Hoje com 29 anos, o pinheirense pertence a categoria acima de 105kg e espera manter a hegemonia no continente, repetindo o resultado de Guadalajara (2011) e Toronto (2015). Este será o seu quarto Pan, já que começou a competir internacionalmente na edição do Rio, em 2007. Para chegar a seu objetivo o atleta costuma estar sempre em busca de aperfeiçoamento. Há cerca de dois anos inclusive, tem morado e treinado em Miami.

Recentemente recebeu a notícia de que pode herdar um bronze mundial, fruto da competição que participou em Ashgabat, no Turcomenistão, realizada em novembro do ano passado, onde acabou ficando com o 4º lugar. Isso porque o então terceiro colocado, o uzbeque Rustam Djangabaev falhou em exame antidoping. Fernando comemorou o seu 4° lugar e procurou ser cauteloso, quanto à possibilidade dele ser revertido em uma medalha.

“Fiquei em quarto no último Mundial com um total bem agressivo. Isso mostra que estou no caminho certo para chegar bem à Olimpíada de 2020. Recebi a notícia como todo mundo, através de um comunicado no site da IWF. No texto não indicava quando ele falhou no doping. Eu não esperava que ele falhasse. Não tenho maiores detalhes, temos que esperar o processo correr, porque não sabemos exatamente quando ele falhou”, comenta o atleta.

Além do foco total pesando não só em Lima, mas em Tóquio 2020, o pesado também corre contra o tempo para recuperar-se 100% de uma lesão sofrida no joelho esquerdo. A princípio, ele prefere não traçar uma meta de peso a ser levantada na capital do Peruana.

“Fiz uma reconstrução do joelho esquerdo no fim do ano, porque tive uma ruptura significativa depois do Mundial. Primeiro preciso me recuperar 100% para depois traçar o plano. Agora o objetivo é recuperar o joelho 100% para competir bem em Lima”.

Foto: Ricardo Bufolin | ECP