Te conheço de outros Pan’s: João do Pulo, das Américas para a história do esporte mundial

O pinheirense João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, foi a principal estrela dos Jogos Pan-Americanos da Cidade do México, em 1975. Chegou como desconhecido e surpreendeu o mundo ao atingir 17,89 metros no salto triplo, estabelecendo novo recorde mundial.

O então cabo do 2.º Batalhão do Exército de São Paulo tinha apenas 21 anos e seu salto superou em quase meio metro a marca anterior do soviético Vitor Saneyev, obtida em 1972. João se tornou o terceiro brasileiro a deter a melhor marca mundial na prova, repetindo as proezas de Nélson Prudêncio e Adhemar Ferreira da Silva.

Em oito anos de carreira como atleta, João do Pulo foi tricampeão mundial, tetra pan-americano, incluindo-se os ouros dos saltos triplos e em distância nos Jogos do México e de San Juan, além de oito vezes campeão brasileiro. O recorde mundial obtido por João do Pulo na Cidade do México só foi quebrado dez anos depois, em 1985, pelo norte-americano Willie Banks, com 17,97 metros.

O saltador do Pinheiros ainda conquistou duas medalhas olímpicas de bronze. Em Montreal (1976), como porta-bandeira no desfile de abertura, vindo de uma cirurgia no abdômen, e em Moscou (1980), depois de ter dois saltos legítimos anulados pela arbitragem “da casa”, tendenciosa a favorecer os dois representantes soviéticos. Analistas internacionais consideraram que um dos saltos ultrapassara os 18 metros, o que, além do ouro, daria a João o novo recorde mundial do salto triplo.

A brilhante carreira do atleta foi interrompida no dia 22 de dezembro de 1981, quando sofreu um grave acidente de automóvel e teve a perna direita amputada. João do Pulo ainda tentou voltar às competições em 1998, com o objetivo de se preparar para a Paraolimpíada de Sydney.

Por falta de apoio acabou abandonando o projeto. Morreu em 29 de maio de 1999, aos 45 anos de idade, vítima de falência múltipla de órgãos provocada por um quadro de cirrose hepática e infecção generalizada.